top of page
  • Centro Brasileiro Inovação e Sustentabilidade

Dracaena sanderiana: o encanto do "bambu da sorte"



O "bambu da sorte", conhecido cientificamente como Dracaena sanderiana, é frequentemente confundido com bambu devido à sua aparência. No entanto, esta planta na verdade pertence à família dos lírios, e não aos bambus verdadeiros, que são da família Poaceae​​​​. A Dracaena sanderiana é nativa de florestas tropicais e sombreadas, e seu caule carnudo a distingue dos verdadeiros bambus, que são caracterizados por seu porte ereto e altura que pode atingir até 15 metros​​​​.


Além de ser conhecida como bambu da sorte, ela também é chamada de Dracena-Fita ou bambu da felicidade​​. Devido à sua fácil manutenção e capacidade de crescer tanto em água quanto em terra, ela é uma escolha popular para cultivo em ambientes internos​​.


A planta também se tornou uma estrela no Feng Shui, uma tradição oriental que a considera um símbolo de boas vibrações​​. Na arte chinesa de harmonização de espaços, o bambu da sorte é especialmente valorizado. Considerado um símbolo de boas vibrações e energia positiva, acredita-se que ele traga equilíbrio e prosperidade para o ambiente. Esta crença está profundamente enraizada em muitas culturas asiáticas, onde a planta é frequentemente utilizada para criar um espaço de serenidade e bem-estar.


À medida que se aproxima o final do ano, o bambu da sorte assume um papel ainda mais significativo em muitos lares e práticas culturais. Com a chegada de festas e celebrações de Ano Novo, é comum que as pessoas busquem maneiras de atrair boa sorte e fortuna para o ano que se inicia. Neste contexto, o bambu da sorte é frequentemente escolhido como um talismã natural para atrair essas energias positivas. Acredita-se que ao incorporar esta planta na decoração de fim de ano, seja em casa ou no local de trabalho, ela possa trazer não apenas uma beleza natural, mas também vibrações de renovação e esperança.


O Centro Brasileiro de Inovação e Sustentabilidade (CEBIS) apoio e promoção do "bambu da sorte" (Dracaena sanderiana), reforçando o valor das espécies nativas do Brasil e da América Latina no contexto da sustentabilidade ambiental. Através de iniciativas de educação e conscientização, o CEBIS destaca o papel da Dracaena sanderiana como um exemplo de planta que, embora não seja um bambu verdadeiro, representa a rica biodiversidade e a necessidade de preservar espécies nativas e que eleva o design de interiores, paisagismo e a arquitetura. E


Cuidar do bambu da sorte (Dracaena sanderiana) é relativamente simples e adequado para iniciantes em jardinagem. Aqui estão algumas dicas para manter sua planta saudável:

 

1. Luz: Prefere luz indireta ou filtrada. Evite exposição direta ao sol, que pode queimar as folhas.

 

2. Água: Mantenha a água limpa e troque-a a cada duas semanas. Se plantado em solo, o solo deve ser mantido levemente úmido, mas não encharcado.

 

3. Temperatura: Prefere temperaturas amenas, entre 18°C e 35°C.

 

4. Fertilização: Use um fertilizante fraco a cada um ou dois meses. Evite superalimentar.

 

5. Cuidado do Caule: Evite danificar o caule, que é crucial para a saúde da planta.

 

6. Limpeza: Limpe as folhas para remover a poeira e manter a eficiência da fotossíntese.

 

7. Ambiente: Prefere um ambiente com umidade moderada.

 

Seguindo estas dicas básicas, seu bambu da sorte deve prosperar, trazendo um toque de verde e talvez até boa sorte para o seu espaço.

280 visualizações

Kommentarer


Kommentarer er slået fra.
bottom of page